Escravo das Paixões
Humano, demasiado humano
Capa Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
Aurora Boreal
Vou para a terra do gelo
Onde a noite é quase eterna
E os ventos são cortantes
O céu pintado de aurora boreal
Irei caçar a paz perdida
Quem sabe voltar a dormir
Na noite que não tem mais fim
Malas prontas coração apertado
Esperarei até o último momento
Na porta de embarque ela encontrar
Sua imagem toda desigual
As ancas floridas em branco e preto
A bolsa macia cor de carne
Ela caminha sobre os saltos de madeira
E se aproxima com pinta de louca
Sob cachos dourados reluzentes
Cujo brilho chega a ofuscar
Desse dia em diante
Não haverá outro desejo
Que não seja de noites sem fim
Queria eu transformar sonho em esperança
Pois a esperança dá cor ao céu da vida
Tal qual o brilho da aurora boreal
Luís Carlos Pileggi Costa
Enviado por Luís Carlos Pileggi Costa em 02/12/2020
Comentários