Escravo das Paixões
Humano, demasiado humano
Capa Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
Sereias
Só é possível amar
Onde há mar
Me lembro da doce Irismar
Caiçara dos olhos de mar
Lembrança que a maresia corroeu
Oxidadas memórias
Tantos verões
Os conto pelas sardas na pele
E os amores pelo gosto de sal
Canto a saudade com voz de sereia
Que canta no canto do conto
E me encanta até me afogar
Ando na areia tem tempo demais
Em areia branca como a pele da sereia
Em areia preta como os cabelos de Irismar
A caiçara dos olhos cor de mar
A areia não tem fim
E não há mais tempo para voltar
Andei longe demais
Então só resta caminhar
E amar
E nadar além da arrebentação
E saber que sempre será possível amar
Enquanto os pés se molharem de mar
Luís Carlos Pileggi Costa
Enviado por Luís Carlos Pileggi Costa em 13/01/2020
Comentários