Escravo das Paixões
Humano, demasiado humano
Capa Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
Mesa de bar em 2004
Veneno de minha alma
Resto de noite, ébria,
Gosto dos outros que provo
Tentando te descobrir

Sabor de tantos
Alma de ninguém
Desejo de carne
Horror de alma

Metade mulher
Metade menina
Outra metade gente
E mais uma que sou eu

Futuro que se perde
Prazer que se ganha
Quadris que enfeitiçam
Um tanto de paraíso
Em pleno inferno

Trocar sol por chuva
Trocar brisa por tempestade
Amor sério por paixão doida
Carinho por solidão

Que toque inédito?
Que gosto insólito?
Que passo novo?
Além dos pés descalços
Que os corações pisaram

Resto de noite
Vida minha que se esvai
No molejo desses quadris
Flerte que me foi decisivo
Porque fatal me fez
Quando cruzou aquela mesa de bar...
Luís Carlos Pileggi Costa
Enviado por Luís Carlos Pileggi Costa em 25/01/2007
Comentários